Participar & Escrever

    • 2019-01-28 17:18:4428 Janeiro 2019
    • #1

    Olá a todas :)

    Escrevo aqui pois senti falta, muita, de testemunhos “positivos” da experiência de interromper a gravidez através de medicamentos.

    Confesso, eu estava aterrorizada.

    Tenho 25 anos e há pouco mais de 1 ano deixei de tomar a pílula porque deixei de ter um parceiro fixo. Como usava sempre preservativo e não me dava bem com a pílula que estava a tomar, achei por bem deixar e rezar para tudo correr bem. E correu.. até o meu período atrasar e começar a ter enjoos de manhã à noite, a toda a hora, MESMO!
    Fiz o teste e lá estava, em menos de 10 segundos, resultado positivo.
    Liguei para algumas linhas de apoio para me aconselhar e todas me deram a mesma solução: dirigir-me ao meu centro de saúde.
    Depois dessa consulta no centro de saúde, a médica encaminhou-me para a maternidade.

    Já na maternidade, fiz uma ecografia e um hemograma para saber o meu tipo de sangue e despistar problemas mais graves como anemias.. a ecografia mostrou que estava de cerca de 6 semanas. No final dessa consulta pediram-me para marcar uma consulta de IGO na recepção.
    Infelizmente, esperei 10 dias pela primeira consulta de IGO pois não tinham nenhuma vaga mais cedo.

    Os enjoos continuaram, o mal estar constante, o cansaço era muito e sobretudo a minha ansiedade pela primeira consulta era o mais difícil de lidar.

    Na primeira consulta, a médica, apesar de muito simpática, tratou-me com uma frieza inacreditável. Não a julgo, porque somos todos seres humanos e talvez ela seja assim para não se ligar muito ao casos dos pacientes. Mesmo antes de eu me sentar já me estava a dar um papel para eu ler que explicava os vários tipos de IVG.
    Após eu ler, questionou-me se tinha alguma dúvida e aí, após falarmos bastante, lá me decidi pelo processo medicamentoso. Quando saí da consulta marquei a primeira toma dos comprimidos para 4 dias depois, uma sexta-feira.

    Quando cheguei a casa nesse dia, após pesquisar alguns testemunhos, comecei a ler imensos casos de IVG que tinham corrido mal com comprimidos. Falavam de dores horríveis,hemorragias gigantes, dos mil e trezentos perigos..
    Bem, passei os 3 dias de reflexão a ler e fiquei aterrorizada, já nem conseguia dormir..

    Chegou sexta-feira e tive consulta logo de manhã. Quando cheguei à consulta, a enfermeira era a coisa mais amorosa que eu alguma vez conheci.

    Tomei os primeiros comprimidos, que iam ajudar a “descolar o saquinho” pelo que ela me explicou. Disse-me que devia fazer exercício físico, caminhadas, subir escadas para ajudar no processo..

    Percebeu que eu estava em pânico e então tentou-me acalmar e disse que se quisesse podia fazer 2 toma de comprimidos com ela na segunda. Que me dava uma injeção para as dores e ficava lá 3 ou 4 horas comigo para se certificar que ficava tudo bem. Mas se assim fosse, alguém tinha de me ir buscar e infelizmente não tinha ninguém que na segunda pudesse.
    Então, “trabalhamos” para eu fazer a toma em casa no domingo (48h depois). Ela disse-me que as minha análises estavam boas, que eu era saudável e por isso tinha tudo para correr bem. Só isso já me deixou mais descansada.
    Depois explicou-me como devia fazer a medição no domingo.

    No domingo:

    - Acordei pelas 8h da manhã e vi que já tinha um pequeno sangramento. Provavelmente fruto da primeira toma de comprimidos que já tinha começado a fazer efeitos no tal “descolamento”.
    - Pelas 9h fiz a toma de 2 comprimidos.
    - As 10h tomei 4 comprimidos seguidos - os que iam começar a provocar as contrações. Passado cerca de 1 hora começaram as dores, muito intensas, mas ainda suportáveis e também o sangramento. As dores nesta fase foram ganhando mais intensidade e tive um pico de dores, pelas 12h. Parecia que o meu útero estava a arder. Tomei um SOS (analgésico) que Sr. Enfermeira me tinha dado que ajudou a passar mais tarde. Até as 13h foi um verdadeiro inferno. Corri para a casa de banho mil vezes com vómitos, diarreias e a hemorragia estava descontrolada. Até me vesti para o caso de não passar e ter de ir às urgências.
    - Pelas 14h tomei mais 4 comprimidos. Aí a hemorragia estava mais controlada mas com muitos coágulos.
    - Depois da segunda toma continuei com dores, tipo menstruais, um pouco mais fortes até perto da meia noite.

    No dia seguinte acordei sem dores, com menos sangramento e tudo voltou, pouco a pouco ao normal.

    Apesar de esse domingo ter sido muito difícil, com muitas dores, tudo acabou por correr bem. Sem complicações como tinha dito a senhora enfermeira.

    O aborto, não é um tema fácil. O nosso país ainda não esta totalmente preparado para este tema. Mas a verdade é que mesmo com a pouca experiência que temos, estamos a fazer um bom trabalho em Portugal.

    Muita coragem a quem está a passar por esta situação. Vai tudo correr bem! Falem abertamente com os profissionais de saúde que vos vão acompanhar, melhor que ninguém eles vão poder ajudar-vos em tudo.