Participar & Escrever

Ver mais sobre

    • 2017-09-07 17:48:02 7 Setembro 2017 editado
    • #1

    Boa tarde.

    Após ter andado num turbilhão de emoções desde as últimas semanas de Agosto, inicio de Setembro...que decidi começar a pesquisar um pouco sobre a decisão que mais tarde viria a tomar.
    Comecemos então pelo dia 24/08, dia em que fiz um teste de gravidez...eu bem que andava a suspeitar que alguma coisa não estaria bem porque...eu já tenho uma filha com 10 anos e já sei mais ou menos quais os sintomas iniciais que uma grávida tem...ou seja, dores nos seios, fome, cansaço...e muito, mas muito sono.
    Resolvi comprar o teste na minha hora de almoço do trabalho (pior asneira que podia ter feito), isto porque a minha intenção era comprar o teste á hora de almoço e fazer o teste mais tarde já em casa...mas a ansiedade por um lado era muito e o medo nem se fala.
    Fiz o teste...e 2 ou 3 segundos depois apareceram os tão temidos 2 tracinhos.
    Antes de continuar vou contar-vos um pouco da minha história...
    Aos 13 anos pensei que tinha encontrado o amor da minha vida, aquele amor que achamos que é para a vida toda...só que sempre foi um namoro um pouco conturbado devido ao facto de a minha família não gostar muito da família dele e incluindo dele também.
    No entanto isso para mim nunca importou muito, o que importava naquela altura com aquela idade era mesmo, o amor...aquele formigueiro na barriga que sentia sempre que estava com ele...no entanto após idas e vindas e ter ido para França de castigo e tal....aos 16 anos e durante o inicio do ano lectivo descobri que estava grávida!
    No inicio muita coisa me passou pela cabeça, com 16 anos era um misto de muita coisa, medo da família, de os desiludir...no entanto ao mesmo tempo eu queria ficar com a pessoa que amava e com aquele nosso rebento....sem pensar avancei com a gravidez, mesmo contra a vontade de todos da minha parte, dado que a família dele aceitava a situação de bom grado até.
    Descobri a gravidez ás 7 semanas aproximadamente...e tomei logo a decisão de ficar com o bebé, mesmo sendo eu uma menor e ainda a estudar. fiz o 9 ano gravidissima, e a 20/05/2007 nascia a minha pimpolha.
    Posso bem dizer que foi o dia mais feliz da minha vida, somente tirando o facto da vida conturbada que já andava a levar desde então...entre problemas com a familia, a constantes mudanças de casa....manter os estudos e ainda pensar no futuro.
    Uma coisa sempre tive em foco na minha vida...não iria deixar os estudos, e iria concluir pelo menos o 12º ano, essencial para ter um trabalho hoje em dia!!
    Entrei para o 10º ano tinha a M mais ou menos 3 meses...não foi tarefa fácil...mas lá consegui terminar os estudos e com uma boa média até...arranjei trabalho e á cerca de 5 anos decidi então juntar os trapinhos com o pai da minha filha...inicialmente fomos viver para Santo Tirso e um ano depois viemos para Valongo.
    Vivo em Valongo desde então mas nem tudo foi fácil...infelizmente o pai da M tem uma dependência com o alcoól o que torna tudo um pouco mais complicado, mas mesmo assim teimosa como sou...pensei que iria conseguir levar o barco a bom porto!
    Tentei ajudá-lo em todos os tratamentos possíveis mas nada...comprimidos e mais sessões e mais coisas e nada....
    Atualmente estou com 27 anos, e ele com 28, estamos separados desde o inicio do ano...ambos vivemos em Valongo mas...por vezes acontecia um ou outro encontro....e foi precisamente num desses que aconteceu...
    No dia em que descobri contei-lhe e da parte dele foi logo o grande desejo de continuar com esta segunda gravidez...ao que da minha parte eu não queria, por diversas razões....a doença dele (Alcoolismo), o meu próprio problema...(sim, porque engravidar com 16 anos, tentar vencer na vida e ainda lidar com esta situação causou estragos na minha vida a nível emocional, pelo que pude contar com 2 internamentos na Ala Psiquiátrica do H.S.J) uma delas entre o final do ano passado e inicio deste.
    Dia 25/08 desloquei-me ás urgências do H.S.J completamente desesperada porque não sabia de quanto tempo estava e não queria de todo avançar com uma gravidez na situação em que estava, de completa instabilidade a todos os níveis....ainda estou em estágio a nível do trabalho, a minha família que por um lado tanto tem estado do meu lado para me apoiar nos últimos momentos, bem como o facto do pai da M ter o seu próprio problema que não consegue resolver....
    Nas urgências não me fizeram nenhuma eco, no entanto disseram para eu me deslocar na Segunda dia 28/08 ás consultas externas de Obstetrícia para marcar uma consulta de IVG.
    Lá fui eu nessa Segunda para marcar a consulta, acompanhada do pai da M...que a todo o custo me tentava dissuadir da minha decisão com a promessa de que este bebé iria mudar tudo!!!! (promessas levam-nas o vento...e eu já estava cheia de falsas promessas)
    Marcaram-me a primeira consulta para dia 30/08 á hora de almoço...lá fui...fiz logo de imediato uma eco ao qual indicaram o tempo....(Ainda estava dentro do limite das 10 semanas)...por um lado já podia respirar um pouco mais de alivio...tive que assinar um termo de responsabilidade e as consultas seguintes ficaram logo previamente marcadas.
    Dia 4/09 desloquei-me novamente ás consultas externas do H.S.J (Obstetrícia), e aí a médica deu-me de imediato para tomar um comprimido (Mifepristone no estabelecimento de saúde: 1 comprimido (200mg) por via oral)....ao qual me foi informado que era um comprimido para estimular o útero para o procedimento seguinte....pelo que eu averiguei, esse medicamente além de fazer uma privação digamos...das hormonas da gravidez, que ajudam a sustentar a gravidez, fazem com que o coração do feto deixe de bater.
    Não me posso queixar do atendimento no H.S.J...a Enfermeira foi super atenciosa e os 2 médicos que me atenderam também foram muito simpáticos.
    Nesse dia trouxe para casa os 4 comprimidos de (Misoprostol, que pode ser feita em casa: 4 comprimidos (800 mcg) por via bucal (derretidos na bochecha) ou por via vaginal), eu coloquei mesmo via vaginal.
    Os comprimidos eram para ser colocados na Quarta, dia 6/09...que neste caso, face ao que estou a escrever agora, foi ontem, no entanto durante o inicio de Quarta já estava com pequenas perdas de sangue, muito clarinho...o que já indicava o que por ai vinha.
    Ontem á noite dia 6/09 cheguei a casa, jantei e eram 20:35h...fui para a cama...embebi os comprimidos em aproximadamente 6 gotas de soro como me tinham indicado e coloquei como se de um tampão se trata-se.
    Fiquei deitada e mantive-me mais ou menos relaxada (numa situação destas nunca se está...) e aguardei 30 minutos....após os 30 minutos deveria ter andado um pouco pela casa...mas acabei por cair no sono dado que tinha andado a trabalhar mais horas do que o normal ultimamente.
    Eram mais ou menos 00:00h quando senti assim algo estranho...(Nota: No hospital deram-me uma receita de 3 analgésicos...no entanto eu decidi que não iria tomar nenhum a menos que precisasse muito), fui á casa de banho e começou...tinha começado a fase da expulsão....:crying:
    confesso que desde Segunda que andava bastante em baixo...isto porque...uma parte de mim não queria tirar a vida a este bebé...uma parte de mim queria este bebé....mas o que iria ser do meu trabalho...da minha vida...a minha familia ia toda afastar-se de mim...e eu ia estar a arriscar sustentar mais um filho praticamente sozinha e com a situação de ter um ex companheiro com o problema que tem....
    Decisão tomada e tinha que avançar.
    Estive acordada até as 02:30h mais ou menos...as dores não é que fossem insuportáveis (vai de mulher para mulher) mas...não deixavam dormir e eram um pouco chatinhas....consegui trocar de penso para aí umas 2/3 vezes...e saiu matéria pelo menos 3 vezes....por isso deduzo que o comprimido fez o seu efeito desejado.
    Hoje de manhã quando acordei estava completamente ensopada...literalmente ensopada em sangue....fui logo tomar banho e ao sair do banho...aparentemente estava tudo ok...até que....começa a escorrer tudo novamente....e o meu pensamento foi....bem...os meus pensos não vão aguentar até eu chegar ao trabalho....(como eu tenho muitas infecções urinárias, tenho sempre uma fralda cueca na mesinha de cabeceira, caso seja necessário por algum motivo....para durante o sono por exemplo, para pequenas perdas de urina)....no entanto nunca a tinha usado.....era uma fralda cueca....até que no dia de hoje percebi que ia ter que a colocar...e foi o melhor que fiz). Ela é completamente invisível na roupa, só eu sei que a estou a usar, e é de marca branca!
    Para prevenir eventuais situações embaraçosas nada melhor...e para quem estiver com grandes hemorragias é o ideal acreditem!!
    Resumindo...agora falta-me ir á minha 3º consulta...que será no dia 27/09 para confirmar se tudo correu bem e se está tudo limpo!
    Agora vem uma das contrapartidas destas decisões....e que para o meu bem estar emocional não veio ajudar em nada...que é o factor da dor psicológica, o facto de termos que lidar com a vida que acabamos por tirar, e com o peso com que vamos ficar para a vida toda....porque acredito que a maior parte das mulheres que opta por uma IVG...o faz por motivos bem fortes, e que lá no fundo...se a situação quer familiar ou profissional ou emocional ou até mesmo de saúde fosse diferente....acredito que aí a decisão seria diferente.
    No meu caso pesaram muitos factores...sei que vou viver o resto da minha vida com este peso na minha consciencia...mas não tinha de todo possibilidade de manter esta gravidez neste momento!

    Obrigado a quem perdeu um bocadinho do seu tempo a ler estas minhas palavras.
    Um beijo enorme para todas as mulheres daqui que foram umas "guerreiras" independentemente da decisão que tomaram!!!

    Sejam felizes!!!! :01smile:


    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: invent

    • 2017-10-28 13:36:3628 Outubro 2017
    • #2

    Bem...na quarta dia 25/10 tive consulta de IVG novamente...para fazer eco e ver se tinha ficado tudo limpo conforme se pretendia, no entanto o médico volta a dar-me indicação de que ainda continha muita matéria dentro do útero, e que teria de passar para o passo seguinte, ou seja, a cirurgia.
    Confesso que aquelas palavras não foram palavras fáceis de digerir, no entanto lá teve que ser.
    Desde já tenho a dizer que todo o meu acompanhamento no H.S.J foi do mais profissional, atencioso e simpático que poderia ser, em momento algum me senti discriminada pela opção que tinha tomado para a situação que me encontrava, isto comparando a alguns post´s que eu já vi por aqui de outras mulheres que ou têm que se deslocar a clínicas em Espanha onde pagam (500€) ou então que se deslocam a certas unidades de saude públicas e são muito mal atendidas.
    Confesso que estava com algum receio, no entanto não tenho nada a apontar sobre o atendimento que tive.
    A cirurgia ficou marcada para dia 26/10 ás 14:30, tive que fazer o habitual jejum de 8 horas e lá me desloquei eu ás urgências do H.S.J (Obst) onde o médico me tinha pedido para me deslocar para ele me poder fazer a cirurgia com a maior brevidade possível, dado que já há + de 2 meses que me encontrava neste processo e sempre com grandes perdas de sangue.
    No inicio estava um pouco nervosa, mas a simpatia dos enfermeiros e médicos envolvidos logo me fez ficar mais calma, puseram-me a soro e logo logo fui para o BO, ligaram-me a todas as máquinas e mais algumas, as condições do BO eram otimas para um hospital público, e logo logo levei a anestesia geral.
    Acordei mais tarde no recobro, sem qualquer tipo de dor...aliás, 2 dias depois não sinto qualquer tipo de desconforto da cirurgia, as cólicas pararam finalmente e também já parei de sangrar.
    Pelo que agora, só me resta continuar a minha vida, pensando que apesar de tudo foi a melhor decisão que tomei...durante este tempo ainda tentei uma reconciliação com o pai da minha filha (e do bebé que iria ter) mas, não deu certo...e pensando bem, mesmo depois desta decisão, acho que preciso de um novo começo, uma lufada de ar fresco de forma a poder seguir em frente.
    Não posso dizer que esqueci o que aconteceu, ou que algum dia vou esquecer...mas ficará guardado num cantinho da minha memória, e vou lutar, lugar para ser feliz com a minha filha e sim...mais tarde quando encontrar alguém verdadeiramente á altura, poderei pensar aí sim em planos futuros.
    Obrigado a todas que perderam 1 minuto a ouvir a minha historia, e desejo a todas as futuras mulheres que passem por esta situação...CORAGEM!! Coragem e dizer que...não são más pessoas ou menos mães por tomarem uma atitude que pode ser a mais acertada na vossa vida.