Participar & Escrever

Ver mais sobre

  1. Boas tardes
    Gostaria de saber se alguém me pode ajudar a perceber se a minha esposa sofre de depressão ou não!!
    Obrigado.


    • 2010-03-16 18:01:2216 Março 2010
    • #2

    O que é que o leva a pensar que ela sofre de depressão?

  2. Boa noite...
    O que me leva a pensar que ela sofre de depressão são as atitudes e sintomas que nao creio que sejam normais.
    Ela tem 28 anos, todos os dias se queixa do emprego (já é o terceiro seguido em que isso ocorre, os otros acabou por abandonar pelas mesmas razões), está sempre queixosa, todos os dias lhe doi algo diferente, está sempre a queixar-se de cansaço, nao tem auto-estima, o desejo sexual cada vez é menor.
    Estou deveras assutado, porque nao entendo o que se passa e noto que algo nao esta bem neste comportamento.
    Agradeço desde já a sua atenção.

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: sofia32

  3. O diagnóstico preciso de uma depressão não é fácil, os sintomas e sinais são bastante "vagos". Ela continua a realizar todas as suas tarefas "básicas", ou seja, alimentação, higiene, tratar da família, etc? Deixou de apresentar interesse para coisas que antes gostava bastante, como hobbies, etc? (nem que seja ver séries na TV). Há quanto tempo se sente assim? Ela própria assume que poderá ter uma depressão?

    Sugiro fortemente um maior cuidado na alimentação, moderação nos açúcares e hidratos de carbono e variedade de alimentos, e a inscrição em algum desporto/ginásio. Isto é mais importante que parece. De resto, é importante que tenha uma conversa com ela, tente descobrir algum problema que ela apresente e que desconheça e, se possível, tire uma semaninha de férias com ela (mas daquelas férias mesmo para relaxar e estarem os dois). Proponha coisas que vos façam sair da rotina :wink:.

    Caso a situação se mantenha, será melhor tentar convencê-la a ir a um psicólogo ou psiquiatra.

    Já tive duas situações de depressões lá em casa, sei o que custa não conseguir fazer nada. É preciso força e sobretudo muita paciência :wink:

  4. a depressão tem variantes em cada pessoa...
    chorar e inercia é comum, não falar, picos de silencio e revolta serão outras.
    perca de vontade de fazer os seus passatempos...
    dores de cabeça aliado ao cansaço, podem sugerir cansaço cerebral junto a depressão continua.

  5. Eu estou em fase fianl de desmame dos medicamentos de uma depressão/crises de ansiedade.

    E pouco tem a ver com o que vocês acabam de relatar, essa é uma das formas como a depressão pode ser diagnosticada numa pessoa.

    Eu pelo contrário era uma pessoa demasiado activa!
    E de um momento para o outro comecei com uma dores de cabeça de morrer, com taquicárdia, com falta de ar....
    Todas as semanas ia parar ao hospital com problemas no coraçõa.
    Até que um dia fui com um principio de um AVC para o hospital!

    Foi a gota de água. Fui a um dos mais conceituados cardiologistas de Cascais, que me examinou, fez exames....
    E no fim disse-me o seguinte:
    Você só poderá vir a ter problemas de coração a sério depois da menopausa (na altuar tina 32 anos).
    Ah e faça desporto.... mantenha a mente ocupada.

    Se não conseguir fazer isso tem de procurar ajuda vocês está no cume de uma depressão!

    Burnout!

    Foi ai que decidi procurar ajuda e fui a uma psiquiatra na CUF Cascais - foi a minha salvação.

    De inicio resisti a toma da medicação o que me levou a ser internada para fazer a medicação. Estive literalmente a dormir 3 dias..... Isto no dia 31 de Dezembro de 2008.

    Hoje passado um ano e uns meses sinto-me outra pessoa.

    Ando mais calma e tranquila.

    Nem sempre a depressão é sinal de frustração e desanimo.
    Eu era uma pessoa alegre, extrovertida e vivia a vida ao máximo (Trabalho e familia)

    O meu marido foi a minha ajuda nestes tempos, pois teve muita muita muita paciencia e ajudou-me nesta pedra do nosso caminho.

    Outra coisa, eu depois de ter estado internada 1 semana, apenas fiqueri em casa 15 dias, depois vim logo trabalhar....

    Dopada é certo, mas as pessoas com quem trabalho foram 5 estrelas comigo e em tudo me ajudaram e compreenderam. Este é um passo importante pois se as pessoas ficam em casa tornam aquilo rotina e depois é muito pior retomar a VIDA! Mas nem sempre é possível, pois as drogas que tomamos são mesmo fortes. :(

    Mas eu considero-me uma vencedora desta doença do século XXI.

    Se puder ajudar em alguam coisa disponha. Rodrigo tenha muita calma com a sua esposa e veja a melhor forma de aboradr este assunto com ela. Não a deixe levar ao extremo!

  6. Olá Bom Dia,

    Andava aqui na net à procura de um forúm onde se falasse deste assunto recentemente. Queria saber as reacçoes de pessoas que também estão a passar por esta má fase.

    Rodrigo_Pedro nem sabes como eu entendo bem a tua mulher... Espero sinceramente que esteja a recuperar.

    Eu também estou com uma depressão, descobri à pouco tempo e estou a frequentar uma psicóloga, sou sincera que não me tem ajudado muito, mas também é certo que ainda só lá fui 2 vezes, hoje vou pela terceira vez. Estou a ir apenas uma vez por semana apesar da psicóloga me dizer que precisava de mais de uma vez por semana mas por questões económicas não dá.

    Tenho 21 anos e este sentimento já se vem a arrastar à algum tempo e agora sinto-me a chegar ao meu limite. O meu marido tem me ajudado muito e foi ele quem teve a iniciativa de ir a um psicólogo. Ele tem tido muita paciência comigo.

    O meu sentimento é como o da esposa do Rodrigo_Pedro e não só. Também estou no meu terceiro emprego, todos seguidos, nenhum me dá interesse e motivação. Os primeiros 2 empregos ganhava muito pouco e não se aprendia muito e eu a pensar que era isso que me desmotivava, tinha a ambição de evoluir. Agora que consegui este terceiro emprego em que ganho mais e é uma boa casa em que pagam a horas, não costuma haver despedimentos, dizem que todos os anos aumentam o pessoal e onde à muita possibilidade de evolução descobri que continuo a não ter motivação, estou constantemente desinteressada, estou aqui à cerca de dois meses e estou fartíssima, não consigo lidar com as pessoas, ainda não consegui fazer nenhuma amizade nem tão pouco almoçar com uma colega... Enfim, quando estou no trabalho só penso na hora de saída e no fim do contrato para ver se me mandam embora. Ao mesmo tempo não quero que isso aconteça porque não andam aí trabalhos sempre à mão, mas sinto.me tão exausta, cansada, não me interesso mesmo por nada nada nada... Ainda por cima o trabalho é em Lisboa e eu moro na Malveira, odeio o trânsito, apanhar metro, confusão, etc...

    Sempre fui muito tímida e tive sempre dificuldade em lidar com pessoas mas isto tem vindo a agravar-se cada vez mais. Não me sinto nada bem, não me gosto de ver ao espelho, não tenho confiança nenhuma em mim, não consigo fazer amizades mesmo fora do trabalho, sou só eu e o meu marido e mais ninguém. Sempre que temos de sair para uma festa de aniversário ou algo do género fico sem vontade nenhuma porque já sei que não vou gostar de lá estar, já sei que vão lá estar pessoas com quem não consigo partilhar uma conversa porque bloqueio completamente ao tentar que as pessoas gostem de mim e me aceitem.

    Só tenho vontade de estar deitada no escuro.

    Acho que estou a atingir um ponto que até eu não esperava atingir, ninguém me pode dizer nada que fico nervosa. Estou constantemente nervosa, ansiosa, sempre com as lágrimas nos olhos, sepre que me dizem alguma coisa já estou praticamente a chorar. Choro todos os dias, sinto-me sufucada e sem rumo, sinto-me perdida e não sei o que fazer nem o que pensar. Eu nem consigo pensar. Mas agora também ando sempre com vómitos, tonturas e com um cansaço que fico com os braços dormentes, e sinto também um aperto no peito que até tenho medo que me dê alguma coisa. Não me consigo controlar para me acalmar, nem com calmantes. Estou farta de tudo, só penso em fugir, isso sim era o que mais queria, virar as costas a isto tudo.

    Não tenho mesmo vontade para nada... a minha vida sexual afundou-se.

    Só me apetece mesmo estar sozinha. Mas estou farta disto. Queria ter tantos ammigos, sair, beber, tudo a que uma jovem tem direito mas só me afundo, é mais forte do que eu. Não tenho mais forças, só quero desistir de tudo. Quero mesmo fugir.

    Desculpem o desabafo mas estava a precisar...

    Obrigado

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: lost_soul, PattyC

    • 2010-07-06 13:14:12 6 Julho 2010
    • #8

    Bom dia a todos...

    Bem, nem sei por onde começar...Tenho 22 anos e acho que tenho uma depressão. Sempre fui uma rapariga extrovertida, ambiciosa, com muita vontade de viver e conhecer o mundo.

    Terminei a minha licenciatura com uma óptima média, tenho um namorado que amo imenso e que é tudo para mim e neste momento consegui um emprego estável na minha área.

    A verdade é que, desde há uns meses para cá, sinto que as coisas não estão bem. Comecei por me sentir muito mal comigo mesma: gorda, feia, sem interesse. Inútil. Estes sentimentos fizeram com que começasse a vomitar tudo o que comia. Agora estou bem melhor, há alguns meses em que consigo não vomitar, pk prometi ao meu namorado, com quem consegui desabafar, que não o faria... A verdade é que entre muitas oscilações de peso, embora tenha agora um peso normal e nunca tenha estado abaixo disso, me sinto muito culpada por comer, e evito ao máximo para não ter que vomitar... Ele diz que eu sou linda e que me ama, mas eu n me consigo ver assim!!

    A juntar a tudo isto, acordo todas as manhãs a chorar compulsivamente, triste por ter que ir trabalhar... Sinto que não estou a dar o meu máximo no trabalho porque estou sempre chateada e farta de lá estar. Tudo isto está a afectar a minha relação pois quando não estou triste, estou zangada, irritada com tudo e todos e qualquer coisa me enerva facilmente. Tenho picos de humor: ora estou muito feliz ora, passados 10 minutos, me sinto a pessoa mais estúpida à face da terra...

    As minhas relações com os meus amigos também se estão a deteriorar pois afastei-me bastante deles... O meu namorado ajuda-me muito mas nem sempre compreende o porquê de eu estar ora triste ora zangada ora feliz, e zanga-se cmg...enfim, n sei o que fazer. Não tenho paciência para nada e sinto que tenho um futuro cinzento à minha frente...

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: PattyC

    • 2010-07-07 21:15:54 7 Julho 2010 editado
    • #9

    Olá , Sou o Bruno tenho 29 anos e desde dos meus 16 anos que sofro de episódios de depressão , contudo foi mais a partir dos 25 anos após ter tido um género de esgotamento que pioraram as coisas , desenvolvi os ditos ataques de pânico e fobias relacionados com a ansiedade...

    Noto que me têm prejudicado bastante , pois não consigo fazer as coisas normalmente , parece tudo um esforço , acaba-se por sobreviver e não viver , sou capaz de fazer tarefas seguidas como derrepente nada...e o que me chateia mais é ter uma força mental de querer fazer as coisas e o corpo não corresponder e vice versa.

    Andei em Psiquiatras , Psicólogos e tomem medicação , nunca foi algo certo pois começava depois parava...noto que preciso constantemente de algo para andar melhor e acalmar-me pois não existe um único dia em que me sinta realmente bem , por vezes não sei como lidar com isto , acabei por me isolar ao longo destes anos e não tenho amigos , acabo por me afastar pois não quero transparecer estes genero de problemas para ninguém , sinto-me um pouco frustrado e sinto que não sou uma pessoa normal , recentemente tenho tentado dar a volta da melhor maneira que posso , mas nem sempre é fácil...

    Por vezes já nem me sinto , pois perder a alma é como estar morto mas consciente dessa realidade...

    Cumps

  7. Bom dia, é a primeira vez que estou a particiar num forum deste género. Infelizmente não é pelos melhores motivos porque também eu sofro de uma depressão nervosa. Em Março decidi que me tinha que tratar e desde aí ando medicada. Graças à minha mãe e amigos estou a conseguir ultrapassar lentamente este obstáculo que surgiu na minha vida. Sempre fui muito alegre, animada e com vontade de ultrapassar todos os desafios que a vida me colocava, foi exacatamente por causa disso que entrei neste estado, como o meu psiquiatra me disse, nunca acho que faço o suficiente e isso fez com que chegasse ao limite.
    Tenho uma palavra para todas as pessoas que estão na mesma situação que eu, não se isolem...por mais que seja dificil não deixem nem os vossos amigos nem a vossa família, é com eles que nós podemos contar e serão eles que nos vão ajudar a ultrapassar esta doença. Ainda hoje tenho muita vergonha de dizer a algumas pessoas que não fui forte o suficiente para resolver este problema e que preciso de medicamentos diários para me sentir melhor...mas reconheço que sem eles a minha vida já não tinha qualquer sentido. No fim do ano vou parar de os tomar (por ordem médica) só espero conseguir voltar a ser pelo menos um pouco do que era antes desta depressão.
    Acho muito importante partilhar as nossas experiências, ao menos temos alguém que nos compreende :)
    Beijinhos

    data-ad-client="ca-pub-8057434045421582" data-ad-slot="3064784842">
  8. boa tarde,gostava que algum espsialista me fizesse uma analize:
    estou confrontado com a segunda depressao, 1º tinha 18 anos e cureime, agora tenho 28 e estou a ser medicado a 1 ano,comecei com nodep,risperdal, livetam, e agora estou com cipralex 2mg e rivotril, sinto que estou melhor que no principio, mas tambem ja me senti melher ,acho que estou a regredir, tenho muitas recaidas e vontade e suicidio e matar,noites más,deprimido e silencioso, quero-me curar porque tenho uma familia e muito para viver,o que acha desta situaçao??estou a ser bem medicado??tenho soluçao??gostava de uma opiniao sinsera e profissional,obrigado

    • 2010-09-03 16:36:29 3 Setembro 2010
    • #12

    Boa tarde!
    Chamo-me Sara e tenho 23 anos, sou nova por estas bandas, mas de qualquer forma venho deixar-vos o meu testemunho.
    Sempre fui uma rapariga extrovertida, lutadora, amadureci muito cedo, de tal forma que com o passar dos anos acabo por ser "mãe" dos meus próprios pais e irmãos... sou o pilar de casa. Desde os 13 anos que trabalho e estudo para tentar ser alguém na vida, contudo tenho tido muitos contratempos. Aos 15 anos comecei a namorar, namoro esse que durou 6 anos, o meu namorado era muito bom rapaz,meu amigo...mas com o tempo começou a torturar-me psicologicamente, chegando ao ponto de eu ja ter nojo de estar com ele. Conclusão: perdi a vontade pra tudo, a minha auto-estima nunca esteve pior, e tudo me parecia sem sentido nenhum...tentei suicidar-me mas a minha manita de 4 anitos apareceu naquele exacto momento pra me salvar! Estava com uma depressão grave. Fiz tratamento durante 3 anos,mas depois fiz o desmame sozinha, porque nao me quero habituar a medicaçao. Acabei o namoro em Março de 2009, mas ainda nao foi o suficiente. Estive todo o 2009 desempregada porque entretanto tive um acidente de viaçao e os transportes na minha zona sao muito poucos.
    Tentei levantar-me e tentar ser a menina alegre que sempre fui, mas não há maneira, tou sempre em baixo, pessimista, sem auto-estima nenhuma...
    Entretanto em Janeiro conheci uma pessoa com quem estou a tentar refazer a minha vida, em Maio arranjei trabalho por turnos o que pra mim foi uma alegria no início e um pesadelo ao longo de 3 meses...pois ao trabalhar à noite, a solidão assombrava-me...as sismas permaneciam na minha cabeça e eu dava por mim a atender os clientes a chorar!
    Depois de conversar um pouco com uns bombeiros que lá iam, eles disseram-me pra procurar um médico porque já estava com recaida de depressão e esgotamento, o que tenderia a originar suicidio.
    Consultei entao o meu médico e de facto, estou com uma recaída, preciso de tratá-la antes que fique crónica.
    Despedi-me desse trabalho e resolvi tentar mudar de vida e no dia 20 vim para o Luxemburgo com o meu namorado que já cá estava ha 9 anos. No entanto, o meu astral nao melhora, ando sempre sismática: ou que ele nao gosta de mim, ou que me está a usar pra fazer ciumes à ex-mulher com quem tem uma filha...ou porque me sinto gorda (a verdade é que so tenho 47kgs)...nao consigo ser FELIZ!!
    E basicamente é isto, é um desabafo... de qualquer forma estou aberta a opiniões e ajuda... Obrigada e as melhoras a todos!

  9. tenho 20 anos e estou numa fase da minha vida menos boa, já fui ao psicologo que me receitou anti depressivos e calmantes. já nem desabafar me faz bem... os dias passos alguns bem outro com ataques de choro mesmo tomamdo a medicação. sempre fui introvertida e muito sonhadora,, era por assim dizer ambiciosa, no fundo sempre desejei trabalhar para ter uma vida melhor para ajudar os meus pais pois desde sempre me senti um fardo para ele visto que tinham poucas posses. de pequena sofri imenso com ciumes da minha irma porque ela tinha e era tudo aquilo que eu queria ser. quando entrei na adolescencia tive todo o tipo de complexo de sobre a minha imagem, isso levou-me a ser mais introvertida ainda, todas as relações amorosas falhadas me faziam sentir uma pessoa anormal, eu olhava para as outras raparigas e os seus namorados e sentia me mal porque de mim minguem gostava, nunca entendi isso, a principio pensei que fosse pela aparencia depois passei a achar que ela por causa do meu feitio. quando arranjei o meu emprego foi a coisa mais feliz que me aconteceu, sentia me realizada... mas isso durou pouco mais de um ano, ate o meu estado voltar a piorar, ja pedi a demissão varias vez porque acho que não sou capaz de comprir bem a minha função, porque olho para tudo e tudo me irrita, porque na minha cabeça as pessoas não me querem por perto porque não sou lutadora como queria e como devia. sinto me inutil e não me sinto capaz de realizar os meus sonhos sou psicologicamente muito fraca e pequenina. no amor e na amizade sinto me totalmente arrasada, tenho medo da convivencia com estranhos. não saio para a noite porque não suporto estar muna mesa cheia de gente porque penso que as pessoas me ignoram, fecho me em mim mesma para não me magoar, mas sinto me sozinha, queria poder viver, queria tanto amar. sinto que estou á espera de começar a viver e essa espera esta cada dia a secar me mais. as vezes penso que o mundo seria melhor sem mim e que chateio as pessoas que estão á minha volta, e sinto me uma pessoa mesmo má, que dou azar, que estrago a vida dos outros, muitas vezes penso na morte e na melhor forma de morrer. acho que esta sou eu e que eisto nunca vai passar......

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: jaine lemes

  10. Resposta a solidão.
    Com 20 anos não há qualqualquer razão para se querer morrer, estás no auge da tua vida, desfruta, goza o mais que possas, se estás sozinha, sai de casa vai ao encontro de amigos, não estejas à espera que sejam sempre os outros a terem que se lembrar de ti, quebra o máximo que possas as rotinas, tenta fazer exercicio nem que seja só andar a pé, vais ver que hoje em dia encontras muitas pessoas na rua que fazem o mesmo e quem sabe consegues fazer novos amigos, não desesperes vai em frente.
    Os meus conselhos não são médicos ou terapeuticos, apenas são aqueles que te posso dar como pessoa que já passou pelo mesmo.

    As melhoras e em frente é que é o caminho,

    José Ferreira:smile:

  11. gostava de saber da tua historia jose ferreira, já que deizes que já passas-te pelo mesmo. procuro uma pessoa que me entenda, talvez alguem para desabafar quando estou mais em baixo. com todas as pessaos que falo não me precebem de verdade. todas dizem o mesmo que tu mas na verdade eu não consigo... sinto correntes que me prendem a mim e a uma personalidade que eu não queria que fosse a minha, sinto correntes que me prendem a uma pessoa que so me magoa... o meu coração só quer estar com essa pessao e o meu orgulho so me diz para estar longe, cada rejeição é uma volta ao passado em que estive sempre sozinha sempre em 2º plano, em que lutei tanto para demostrar as pessoas que afinal não sou uma coitadinha e cabei por me convencer a mim mesma que afinal sim sou uma coitadinha. preciso de me sentir amada para me sentir valorizada e viva, preciso que alguem ame a minha maneira de ser para que eu me possa olhar de outra maneira, porque sempre foi rejeitada e é por isso que eu me sinto feia em todos os sentidos possiveis, porque se não há ninguem que me ame ou que queira estar comigo é porque sou mesmo má e má companhia.

    gostava que me respondesses e gostava que me dissesses se me compreendes!!!!!

  12. A minha história é um pouco diferente da tua, pois eu entrei nesta angustia devido a muito stress acumulado e falta de tempo para fazer alguma coisa que me desse gozo fazer, pois aquilo que eu fazia no meu trabalho era um trauma diariamente, fui conseguindo lidar aos poucos com o problema, mas ainda me encontro medicado.
    No teu caso o que me dás a entender é que te desvalorizas em demasiado, não há pessoas feias ou bonitas, simplesmente existimos e temos uma linha em frente para percorrermos, que podes ter a certeza que irá ter o seu fim por isso, tens que aproveitar esta oportunidade que tens de viver e fazer tudo aquilo que gostas, se não estás muito à vontade com as outras pessoas, se tens dificuldades de criar novas amizades, tens que trabalhar aos poucos essa «fraqueza» e só tu é que o podes fazer.
    Se quiseres desabafar podes fazê-lo sempre que queiras, o meu Email é joseferreira.mail@iol.pt.

    Um abraço e.... JUÍZO!!!!:smile:

  13. Olá!
    Partilho a minha esperiência. O diagnóstico da depressão deve ser feito por um especialista assim como o tratamento. Ter amigos é algo que me ajudou bastante e também recorri a um psicologo (Ricardo Campos). Neste momento , como estou a trabalhar em França, faço as consultas pela Net - e-psicologia.net
    Estou a ser acompanhada há cerca de 3 meses e o psicologo chama-lhe intervenção cognitiva comportamental (acho que é assim que se chama). Comigo está a resultar e estou a sentir melhoras.
    Espero ter ajudado Pedro. Boa sorte!

    Ana

    • 2010-10-21 03:14:3421 Outubro 2010
    • #18

    Não é preciso ser usuário de drogas,nem fumar ou beber...Essa doença,é uma verdsadeira DROGA MESMO, nos faz tão infelizes e incapazes,como se outros fossem melhores q a gente,e,não temos forças pra enfrentar qwuem nos afronta.

    Faz a gente dormir o diua inteiro,semmotivos prafazer o qinteressa,desde trabalhar ou se divertir...
    Faz a gente se fechar, sendo q se arriscarmos à enfrentá-la, podemos ser felizes e conhecer pessoas maravilhosas, q nos farão esquecer o trauma depessoas más,q nos mataram psicológicamente...
    é o q eu acho sobrea depressão...
    Enfim,devemos dar valor às pessoasq nos amam,sendo 1 dafamília,já é obastante,por ex:mãe...Outros dirão :pai ou irmãos..
    Mas,no meucaso,é mãe...

    • 2010-10-22 14:12:5422 Outubro 2010
    • #19

    Olá!
    O meu nome é Ana , tenho 30 anos e sofro de depressão "pós-parto". Há 3 anos tive o meu bem mais precioso o meu filho Alex ele é o bébé mais lindo, meigo e tb teimoso que eu conheço...tem tudo para me fazer a mãe mais feliz deste mundo mas isso não acontece....porquê???? A minha relação com o pai teve todo 1 inicio mt conturbado, traições , mentiras. Desde encontros c prostitutas aos quais eu tive conhecimento pelo telemóvel que andava e anda sp escondido...até processos em tribunal por causa de 1 suposto filho que teve com uma brasileira e que agora pede o que já se esperava..."dinheiro"....tudo isto a acontecer eu estando já grávida e posteriormente com 1 filho de meses no colo...por mais que se tente perdoar nunca se esquece as traições e ficam sp feridas que teimam em fechar.Este é 1 dos problemas, o outro é em relação à minha situação fisica. Antes de engravidar pesava 55kg sentia -me bem confiante c auto estima, toda a minha gravidez foi em função do meu filho mas depois veio a vida sedentária e fiquei com quase 70kg tenho oscilações de peso onde emagrecia por causa dos nervos mas depois esse peso era ganho num instante como conforto para os meus problemas. hoje em dia já não sei mais o que fazer, só me apetece chorar, fechar no meu quarto e não ver ninguém, doí me o corpo todo, a cabeça, as costas, as pernas tudo parece que fui atropelada por um camião... o meu marido diz que eu preciso de ajuda mas qual????? eu queria mm era que ele me soubesse ajudar e me compensa se por todo o mal que já me fez passar... ele diz que eu não o deixo ajudar-me que criei uma barreira à volta, que me tornei numa pessoa fria e que dispara os seus nervos por qq coisa. O meu filho chama me de má... eu sei que por vez explodo e não o devia fazer pq ele é ainda 1 bébé que precisa de fazer asneiras, de desarrumar, de brincar. eu culpo mt o pai dele por me ter feito sofrer enquanto ele estava na minha barriga. pq tudo isso passou p ele, todo o meu sofrimento e agora magoa me ainda mais ouvir o meu filho dizer que eu sou má, por não o compreender, por não ser condescendente, por ser explosiva.
    queria muito ser a pessoa que outrora fui, alegre, bem disposta, optimista e de estar de bem c a vida... mas não consigo.... a minha barreira é tão forte que não consigo parti la sozinha....

    ANA

    • 2010-10-23 00:22:4023 Outubro 2010
    • #20

    Eu tenho apenas 18anos e sei que tenho um futuro pela a frente é o que todos me dizem. Mas eu estou tão cansada de viver, estou tão cansada de tudo que me rodeia, eu só tenho vontade de sumir daqui, desaparecer ou evaporar, porque estou tão farta de sofrer de me sentir culpada por tudo e por nada. Eu sinto'me uma inútil que não serve para nada, e sempre foi assim desde da minha infancia, sempre senti diferente de todos, e por isso não conseguia próximar'me das pessoas, era tão dificil de comunicar'me e ainda hoje é assim, estou completamente sozinha não tenho niguém para me ouvir e aqueles que dizem que ouvem não se apercebem o meu estado nostalgico, resumindo não tenho amigos, nem namorado porque simplesmente afasto toda gente de mim, ao ponto dessas pessoas chegerem'me odiar, por isso sinto'me a pior pessoa do MUNDO, e não me queria sentir assim, eu só queria ser uma pessoa normal, e feliz, e em vez disso sou infeliz, sou imatura, só fazo asneiras, e assim a minha vida tornou'se num inferno.
    Só vim para aqui para desabafar, não sei se tenho uma depressão, nem tenho coragem de falar desse assunto com meus pais, tenho medo que eles acham que eu estou inventar esta história toda para chamar atenção, visto que eles não sabem como sinto, não sabem nda sobre mim, nem da minha história!:crying::crying::crying::crying::crying::crying::crying::crying::crying:

  14. Não tenham medo ou vergonha de procurar ajuda de um psicólogo. Hoje em dia as coisas acontecem muito depressa, toda a gente anda com pressa para tudo. Isso, aliado a um estilo de vida mais sedentário, uma alimentação menos saudável, trabalhos psicológicamente desgastantes, entre outros factores ainda a ser estudados têm feito a taxa de depressões aumentar bastante. Portanto não tenham vergonha e não pensem que são "maluquinhos" ou que o psicólogo não vos vai compreender. Acreditem que depressões são o dia-a-dia deles.

    E pensem que mudar só depende de vocês. Procurem o que acham que está mal em vocês, aquilo que acham que devem mudar e façam um esforço. Pode não resultar à primeira nem à segunda, mas hão de chegar lá. E mudem, mudem as vossas rotinas, mudem de ambiente. Se são tímidos, envolvam-se em todos os tipos de actividades que envolvam o contacto com pessoas que conseguirem. Se têm problemas com a imagem, comprometam-se a fazer uma dieta saudável e frequentar um ginásio regularmente. Se se dão mal com as pessoas, pensem bem nos erros que já cometeram e peçam desculpa a quem merece e façam tudo com mais calma, pensando bem antes de agir. Etc etc etc. Não tenham medo de mudar, não se acomodem a essa situação, gostem de vocês próprios. É difícil eu sei, envolve uma luta diária, mas todos nascemos mais ou menos com as mesmas capacidades, logo vocês são capazes. Não se mentalizem do contrário, pois não é verdade.

  15. Boa Noite...posso-vos dizer que estou deprimida há cerca de uns 11 anos...Parece incrivel que apesar das experiências e lições que tenho tido, tem dado sempre o mesmo resultado:Tristeza...isolar-me do mundo, ignorar comportamentos, perdoar todos e logo vem a decepção.Mas o mais impressionante, é que encaro situações bastante graves, de uma forma natural que aqueles que me rodeiam ficam sem palavras e sem reacção para comigo.Como se não me conhecessem ou não compreendessem a minha forma de estar quando que era para tomar entao alguma atitude negativa.Sinto-me perdida!Não sei que reacção irei tomar a seguir, o que dizer, o que fazer.É complicado para a pessoa que partilha a vida comigo.Pois...eu não sei como traduzir o que sinto.Já pensei varias vezes em percorrer uma ajuda, mas chego sempre á conclusão que "eu não preciso disso"...

    • 2010-11-04 04:05:25 4 Novembro 2010
    • #23

    Olá, estou saindo de uma depressão, e já posso dizer algo sobre o que observei em mim, que talvez sirva para outros.
    A origem da minha depressão foi um período de muitas decepções. Como fui criada achando que o mundo era cor de rosa, e que as pessoas eram bondosas, honestas e sinceras, é claro que num determinado período, descobri defeitos, falhas e traições em pessoas as quais confiava cegamente, e como se fosse uma iniciação, primeiro no casamento, depois da família, na profissão e com os amigos...
    Passei a detestar em consequencia, minha família, meu trabalho, e tudo o mais, daí perder o sentido ficar neles, ao mesmo tempo que não tinha coragem de deixar tudo, afinal minha vida é organizada...mas minha cabeça...
    Daí fiquei triste, muito triste, e não acreditava mais que nada poderia ficar bem, eu precisava ate entao de todas aquelas pessoas em meu redor para ser feliz.

    Bom... depois de me afundar na tristeza, eu passei a desejar me amar. Eu queria me amar, muito mesmo. Sabia que meu desgosto, poderia me levar a morte, meu corpo ja doia todo, tinha enjoo, n[auseas, e muita irritação com todos, além de começar a engordar...Isso não ia ficar bom...

    Fiz o seguinte, como não tinha dinheiro para pagar um psicólogo, comecei a fazer um curso de pintura em caixas, que até ficavam bonitas...
    Dava de presente, e fazia outra...

    Não falava sobre o motivo das aulas, e decididamente ficava longe de pessoas que cobravam ou reclamavam...

    passei a rezar alto, várias vezes por dia... comprei cds de musicas religiosas que gostava e aprendi a cantar, no começo baixinho, assobiando, insistindo muito nisto, porque nao era fácil...

    peguei sol, no rosto, e depois ja conseguia caminhar meia hora por dia...
    me afastei das pessoas, mas cantava e já ia ao cinema , ou alugava fitas, todos bons, era barato...

    tomei muita vitamina C, e comi arroz integral, soja e sopa de legumes sem carne...

    Não sei o que ocorreu, um dia, a vida ficou mais leve... mais leve... mais leve...

    Hoje fui a um homeopata que me receitou uns florais,e sinceramente , do fundo do coração estou melhorando muiiiiito.

  16. Boa Noite,
    Quando tinha 15 anos tive a minha primeira depresão prufunda juntamente com um esgotamento, tentei-me suicidar varias vezes e uma das vezes cheguei a atirar-me de uma varanda do 2 andar felizmente só quebrei alguns ossos e feridas superficiais. Fui tratada por um psiquiatra e por um psicolgo. Apesar de extrovertida sempre me isolei nunca quis falar de mim fslava de temas actuais piadas coisas futeis em 13 anos as coisas pareciam andar nos eixos com alguns estados depremimentes mas a que dava a volta. Casei me há quase dois meses com um marido maravilhoso tenho uns pais fantasticos mas há umas semanas para cá sinto-me completamente desesperada frustada um peso para as pessoas que amo sem interesses sem motivações sem objectivos, trabalhava desde 2007 num banco sempre a contrato e não era durante todo o ano neste momento o contrato acabou e ate consegui arranjar um part time , embora seja de turno das 17 ate ás 23/24( o meu marido trabalha das 8h ás 17h), já estive em situações bem piores mas na verdade é que me sinto completamente só no escuro perdida sem saida no fundo do abismo , não durmo de noite , tenho ataques de choro compulsivos principalmente á noite e penso diversas vezes no suicidio. Desta vez pedi ajuda e fui ontem ao meu psiquiatra. Porque não posso ser uma pessoa normal porque tenho que ser tao depressiva e fragil e magoar quem gosto. Não estou a aguentar PRECISO COLOCAR UM PONTO FINAL A ISTO SEM MAGOAR QUEM EU AMO. ESTOU DESESPERADA SEM RUMO QUERO DESAPARECER SINTO QUE JÁ NÃO TENHO NADA A CONTRIBUIR NESTE MUNDO NAO TENHO OBJECTIVOS SOU UMA FOLHA EM BRANCO SEM INTERESSE. Tenho 28 anos

    • 2010-11-27 15:57:0927 Novembro 2010
    • #25

    Boa tarde,

    estava a pesquisar sobre a depressão e é com as lágrimas a cairem pelo rosto que escrevo este comentário..sou uma jovem Assistente Social, apaixonada pela vida, e com grandes planos para o futuro..faz um ano este mês encontrei o Homem da minha vida. Foi um amor intenso desde o início e incrível ver duas pessoas com tanta cumplicidade, felizes juntos. O tempo foi passando, conheci a familia dele, ele a minha. De ambos os lados o paraíso. Os meus pais adoraram-no, os dele chegam a chamar-me filha por vezes. Para mim a melhor pessoa que já passou pela minha vida. Comecei a notar uma certa tristeza e depois de alguns comportamentos estranhos, o mundo desaba sobre mim. Ele disse-me que sentia que não me amava mas ao mesmo tempo não queria ficar sem mim e que preferia morrer a ficar sem mim…como o amava (e amo) não desisti e depois de alguns dias estavamos novamente juntos. Depois de alguns meses com outras recaídas pedi-lhe para recorrer a um psiquiatra. O Roberto sofre de uma depressão. No entretanto das melhoras e recaídas ficámos noivos mas após uma grande recaída decidimos deixar a história de casamento de lado..doeu muito. Desesperei, chorei horas a fio. Mais uma vez não desisti. O Roberto fez alguns ajustes com a medicação com o médico que ainda não pareceram suficientes. Ontem foi um daqueles dias, voltou a falar em morrer ( o que me mata por dentro), não tem esperança de ficar bem e só chorava. Tenho pesquisado sobre este problema porque quero ajudá-lo o melhor que conseguir e sendo assistente social já lidei com muitos casos de depressão mas nunca assim de perto e tão ligado a mim..Amo-o mais que tudo neste mundo e quero muito entrar na Igreja para ser sua mulher…desabafei um pouco:) obrigado..a todos que têm este problema e que seguem este fórum: muita coragem e força..agarrem-se á vida..por mais que pensem que estão sozinhos, não estão! procurem ajuda profissional. Muitos sorrisos!! ***Joana

  17. Sou a Joana Tenho 20 anos..desde muito cedo que tive problemas, nunca tive uma familia "normal" pois, assisti a maus tratos para com a minha mae desde muito cedo, e meu pai nunca me deu o minimo de atençao pois é alcoolico, aos meus 12 anos deixei de comer...tive um disturbio alimentar, estando perante um inicio de anorexia...fui logo enviada para um pedipsiquiatra, estive sendo tratada durante dois anos e depois pude continuar a minha vida, com problemas visto que só quando tive 18 anos é que o meu pai foi proibido de se aprocimar de mim e da minha mae...logo após quando pensava k tinha tudo para estar bem, seguir em frente caí numa depressão.. eu que achava que era uma super mulher...fui novamente á procura de ajuda e recorri a mesma medica que me tratou aos 12 anos..tive sendo medicada durante um ano..e depois parei....a a partir dos 19 anos tenho tido susessivas crises de depressão ...não consigo me compreender...Uma semana posso tar bem, outra ja estou a chorar e nao quero estar com ng...

    Tenho um namorado Já a quase 3 anos, amo-o muito, mas estou continuamente a pensar que não quero estar com ele que não gosto dele...
    Em relação á minha mae simplesmente não a suporto , não conseguimos ter uma conversa pk acabamos logo por discutir..
    Neste momento estou a ser seguida por uma psicologa mas sofro muito com medo que um dia faxa uma asneira e perca a pessoa que mais amo e que mais me apoia...

    • 2010-11-29 20:28:0329 Novembro 2010
    • #27

    ola joana..
    li a tua história e por um lado compreendo-te perfeitamente (digo por um lado pois eu nunca tive uma depressão mas o meu namorado está a passar por isso). Em primeiro lugar, não sei se viste em cima, sou Assistente Social e o meu estágio académico foi exatamente com alcoólicos..lidei de perto com a problemática no seu todo, tanto da parte do doente como da parte dos seus familiares e próximos.. conversei com muitos filhos de doentes alcoólicos e faço uma pequena ideia do sofrimento do qual foste vítima. Sobre essa questão, tenho-te a dizer que porque foste vítima um dia, não tens que o ser o resto da vida. Passarás sim a ser uma sobrevivente! Quanto ao achares que não gostas do teu namorado fazes-me lembrar precisamente o meu namorado. Não sei se viste em cima que ele me deixou meses antes de casarmos...quando tem crises termina comigo, diz que acha que não me ama... isso é tudo da depressão..se ele te amar mesmo fará o que eu tenho feito, não desisto nem nunca o abandono:) em relação á tua mãe talvez como tu estás mais sensível isso impeça de alguma forma estabelecerem comunicação. Outra coisa, nunca páres a medicação sem que seja um médico que to proponha. desejo-te as mais sinceras melhoras, assim como a todos os participantes do fórum com este problema, e não desistas de lutar...lembra-te o que tu viveste faz de ti uma sobrevivente...muitos sorrisos***Joana

  18. Bom dia,
    Tenho 22 anos ,desde o ultimo ano sofri de ataques de pânico e este verão passado para mim fui muito difícil. Só conseguia estar bem a beira dos meus pais, sentia-me mal por tudo e por nada. Não conseguia sair com os meus amigos e fazer o que sempre fazia. No fim do verão consultei uma psicóloga a 1ª vez e aí sim tive muitos resultados, depois de 2 tentativas falhadas em médicos, curei os meus ataques de pânico em apenas 4 idas com uma psicoterapia onde descobri que a causa era não ter superado a morte do meu avô. Contudo apesar de sentir que essa ansiedade já está mais que controlada e não ter ataques de pânico não saía de casa. Sou estudante universitário e as coisas não correram como o planeado desde que entrei na faculdade,coisas que começei a superar e a mudar até que este ano voltou tudo ao mesmo e para este semestre já prevejo 0 cadeiras feitas. De há 3 semanas para cá deixei de ir as aulas e comecei a sentir-me depressivo. Não consigo sair , a minha mente parece que está sempre a trabalhar, tenho a necessidade de querer pensar sempre em alguma coisa para afastar o pensamento de que não me sinto bem, sinto uma sensação no peito e sei que isto vem tudo da minha cabeça. Comecei a ir a psicóloga de novo quero mudar e ser eu novamente.
    Tenho medo de ficar para sempre assim e não quero pois isto tira a qualidade toda a vida, é viver em sofrimento. Quero afastar estes maus pensamentos, porque são tão instantâneos que nem sei em que penso mas fico logo em baixo, como se me estivesse a sentir mal.
    Gostava de saber se alguém aqui já recorreu a medicamentos naturais, que não sejam viciantes e que tenham tido resultados. Nada que uma pessoa tome e se sinta uma "zombie", nesses casos é quando me sinto pior.
    Eu sei que consigo sair deste buraco e que tenho a família toda a dar-me a mão, mas uma pessoa fica tão egoísta sente que não chega.
    Aguardo resposta, e obrigado.
    Um forte abraço para quem precisa,
    Cumprimentos,
    Tiago

    • 2010-11-30 16:22:2430 Novembro 2010
    • #29

    olá tiago,

    reparei numa coisa, muitos dos particiapantes dizem recorrer a psicólogos..sem querer desfazer nos colegas psicólogos, de maneira nenhuma, em casos como o teu aconselho vivamente a recorreres a um psiquiatra...mesmo em relação a medicação penso que será mais apropriado falares com um psiquiatra... não tenhas medo de ficar tipo zombie, de certo o médico ajustará a medicação para não te sentires assim. O meu namorado já fez alguns ajustes com o médico (infelizmente ainda não foram suficientes) mas não anda de maneira nenhuma tipo zombie..dorme mais cedo sim, e dorme melhor durante a noite. Sei que isto não foi grande ajuda porque não sou médica, sou Assistente Social mas vivo uma sistuação de depressão perto de mim. Também procuro respostas e também tenho medos mas enquanto eu puder ajudar estarei sempre...para ti muita força:big_grin_wink: o que estás a estudar? muitos sorrisos!!***Joana

  19. Olá Joana e desde já muito obrigado pelo apoio e pela atenção,
    já recorri a uma psiquiatra uma vez e ela receitou-me o que ainda ando a tomar que é um comprimido para tomar antes de ir dormir. Senti muita diferença quando fiz uma psicoterapia só que é muito caro ainda a pouco tempo pensava que já me tinha livrado deste problema até que uma prima minha que tem problemas com o alcool veio para casa da minha avó aí fui-me um bocado abaixo e desde então só dou por mim a pensar e a pensar muito sismado. E este tempo tambem não ajuda muito muito escuro muito baixo mas sei que as coisas vão mudar aos pouquinhos mas vão :)
    obrigado

    • 2010-11-30 20:58:5930 Novembro 2010
    • #31

    tiago: acredita que o facto de pensares dessa forma ajuda bastante..é meio caminho andado apesar de não ser assim fácil não é?..pois percebo que o problema da tua prima também te afecta...quando há alguém com esse tipo de problema em casa, costuma dizer-se que o lar é doente, ou seja não afecta apenas a pessoa que tem o problema mas sim todos os que a rodeiam de outras formas. tem calma e sobretudo volta fazer coisas que fazias, sai de casa, pratica um desporto, não te afastes das pessoas..eu peço imensa desculpa, por x sinto-me mal de aconselhar as pessoas porque eu nunca passei por nada parecido e por isso não sei realmente o que sofrem...mas se ajudar de alguma maneira fico contente...muitos sorrisos!!***Joana

    • 2011-08-11 18:33:2111 Agosto 2011
    • #32

    Boa tarde , pessoal aqui fica mais um comentario de uma pessoa que tambem esta com depressao, embora ja tenha feito medicaçao e recorrido a psicologos, ja nao sei o que é estar bem comigo proprio,

    se estou com amigos passado pouco tempo aborreço, se estou mais 10 minutos cafe quero ir embora, se estou no trabalho quero ir para casa, se estou em casa nao tenho paciencia para nada........

    inscrevi no ginasio confesso que me ajuda pois o esforço fisico faz que nao pense muito no problema..

    li muitos dos comentarios do forum e infelismente muitos estão como eu, no entanto dou parabens ja a muito que procurava um sitio destes nem que seja para um desabafo

    a todos força ....vamos vencer esta tristeza

    • 2011-08-11 21:13:4711 Agosto 2011
    • #33

    Não é facil viver nesta pele de Ser Humano fragilizado pela depressão.
    Eles dizem e com razão : Há que encontrar o cerne da questão e saber viver com "a pedra no sapato"... não é fácil contornar uma ferida que teima em não sarar.
    Força a todos...lembrem-se de se sentir especiais, pois quem questiona tanto como nós questionamos, certamente estaremos mais próximos da razão.

  20. A depressao com altos e baixos , faz parte da minha vida desde os 16 aos. aos 17 anos tentei o suicidio.
    Nesse periodo fui acompanhada por um psiquiatra e aparentemente recuperei. A doença tomou conta de mim aos 24 anos e desta vez fui seguida por uma psicologa e nao tomei medicação. Aos 33 anos fechei-me em casa, levantava-me da cama e ia direita para o sofa onde ficava o dia todo (nao trabalhava, nao fazia almoço, nao comia, ficava so ali sentada em pijama). Com a ajuda do meu marido que nunca soube do meu passado depressivo recorri ao medico de familia e passei a tomar medicamentos e parece que fiquei bem (pelo menos foi a opiniao do medico)
    Hoje estou mal. Mesmo mal. So quero desaparecer. A ideia de morrer cada vez me parece mais atraente. Nao consigo desabafar com ninguem. No trabalho disfarço. Em casa grito e culpo todos pelo meu "cansaço".Se nao fossem os meus filhos ( que nestes anos sao as minhas ancoras)eu ja tinha desaparecido. Eu nunca curei esta maldita depressao que me acompanha desde os 17 anos (tenho 39), e ninguem me entende. Sinto-me so, desamparada e sem força.
    Desculpem mas precisava de desabafar com quem me entendesse. Estou cansada de fingir!

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: Luis_S

    • 2011-08-16 00:17:2016 Agosto 2011
    • #35

    Eduarda, força! A vida é o que nós fazemos dela e todos podemos ser felizes, depende de nós!

  21. oi meu nome é jaine e eu preciso desabafar com alguem eu estou sempre triste e a minha vontade é ficar em sair de casa o dia todo eu nao quero mais viver essa ideia tinha sumido algum tempo mais depois voltou de novo.essa depressão ocorreu durante a fase escolar aonde sofri bullyng durante todos os dias . eu preciso de ajuda por favor!!! minha vontade é ficar no quarto o dia todo.
    agradeço por me ouvirem.

    • 2011-08-16 18:10:1216 Agosto 2011
    • #37

    O principal é não desistir! Aceitem ajuda, não estejam só à espera do médico, existem milhares de alternativas, procurem, hoje há muita informação por aí. Desde a psicologia, psiquiatria, acupunctura, reiki, yoga, medicina integrativa e ortomolecular, a oração, os centros de ajuda espirtual, etc... nunca desistam, desistir é o mais fácil, muita força para vocês!

    • 2011-10-23 03:22:1723 Outubro 2011
    • #38

    Tenho 24 anos. Esta é a primeira vez que desabafo assim. Não sei ao certo desde quando sofro de depressão. Parece que sempre fez parte da minha vida. Só a cerca de 3, 4 anos consegui perceber realmente do que se tratava. Desde o ano passado, tornou se insuportável. Simplesmente deixei de lutar. Este ano levou me ao limite, tentei o suicídio.. apesar de pensar muito na morte, naquele momento nada foi planeado. apenas me senti desesperado, como se algo me fosse saltar do peito. vale mesmo a pena falar com um psiquiatra? Não sei se consigo expor a minha vida a um 'estranho'. Marquei consulta uma vez, mas não tive coragem de aparecer. Preciso de fazer algo, não sei se duro muito assim.

    • 2011-10-24 00:17:1324 Outubro 2011 editado
    • #39

    Luis_S, os psicólogos e os psiquiatras são profissionais que estudaram para ajudar em casos como o seu. Se achar que não consegue confiança com um, procure outro. Mas tente, não tenha dúvidas de que eles o podem ajudar!

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: pax

  22. Amigos e amigas!

    Aconselho todos aqueles que sofrem de insónias, tristeza contínua, agonia inexplicável, sem amor próprio ou pela vida a visitarem a Oficina da Psicologia ( http://oficinadepsicologia.com/ )

    passei por lá em 2010 e têm uma equipa de mais de 12 especialistas que vos podem ajudar

    E, têm um programa de ajuda solidária, para pessoas económicamente carenciadas

    Não percam tempo... só vivemos uma vez

    Boa sorte!

    Um abraço de coragem, que, só pode ser a vossa CORAGEM!

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: pax

  23. Quero muito identificar o que sinto, pois faço tratamento com psicanalista e psiquiatra, há uns seis meses, mas como é dificil identificar a causa, já tive melhoras nos sintomas de chorar, dor no peito, angustia, ficar trancada no quarto, falta de apetite, de sair ao shopping, e principalmente a noite e ainda ficar em multidão, e com a sensação de escuridão, casei a 1 ano atrás e vim morar em outra cidade, onde me sinto mais livre e não tenho que ficar dando explicação sobre trabalho e nem falar da minha situação, porém o que me deixa encucada é que antes eu amava meu trabalho (escritório de contadores e sócia) e há dois anos atrás passei a destetá-lo e inclusive até de não querer me encontrar com minhas sócias e sócios e nem rever as pessoas das empresas as quais eu prestava serviço, e além do quer falar em trabalho me causa muito desânimo, e ao mesmo tempo sei que ficar ociosa é pior, mas eu não tenho animo para decidir e quero identificar o por que, pois deve ter uma explicação, posso contar com uma explicação de vocês profissionais que estudam tantos casos, pois sinto que falta algo no meu interior, que algo foi atingido e eu sozinha não consigo identificar, e no tratamento que faço tem me ajudado sinto que a escuridão mudou, uma luz já brilha, mais eu queria ter identificado a questão do desgosto ao trabalho. Desde já agradeço pela iniciativa deste site. Fiquem com deus.

  24. :zipped::zipped:Boa tarde! É a primeira vez que entro num forum e que desabafo.
    Tenho 22 anos, vivo com o meu cão e com o meu companheiro,ou vivia... O meu companheiro infelizmente teve que ir trabalhar para um cidade distante da nossa residência, só vem os fins de semana a casa.
    Eu estou desempregada á quase meio ano,ñ tenho o ensino secundário e isto ñ facilita na procura de um emprego.
    A minha familia vive fora de portugal, portanto estou completamente sozinha, ñ tenho amigos nenhuns, claro não ser o meu cão, que é o meu pilar.
    Sinto que o meu companheiro ñ me apoia quando eu mais preciso mesmo ele estando longe.
    Eu tenho alguns medos, medo de estar sozinha, medo de adormecer, tenho alguns ataques de panico qd ouço algumas noticias na televisão, desde apanharem raparigas desprevenidas nos próprios prédios, entrarem dentro das casas e esconderem-se nos armários, até a ultima noticia do novo "homem aranha". Choro compulsivamente sempre que vejo noticias destas, mesmo que estas se passem na outra ponta do país. Fico aterrorizada.
    Todas as noites antes de me deitar verifico todos os armários com uma faca em punho para ver se está alguém la dentro, tranco todas as janelas e portas e fecho-me a chave no meu quarto com o meu cão até ser de novo dia, só consigo dormir com a tv ligada e com som, pq se tiver no silêncio eu começo a ouvir barulhos onde eles ñ existem. Quando há trevoada tenho medo que a luz vá a baixo e de ficar nas escuras, e começo a entrar em panico e choro ..e choro... A unica coisa que o meu companheiro me diz é que "ñ se vai passar nada", quando estou com alguma "crise", ñ é capaz de me telefonar...
    Durante a semana só saiu de casa para passear o meu cão, só vejo tv e de vez enquando venho até á net. Ando a saltar da cama para o sofá. Ñ faço refeições de jeito, são 17:10h e só tomei um café e comi um pão, é a unica coisa que o meu estomago viu.
    Eu já fui bastante social quando vivia fora de portugal, quando vim para cá e me juntei com o meu companheiro os meus amigos diziam que "agora faço vida de casada" e nunca me convidavam para nada, até deixarmos de ter qlq contacto. Sinto mt falta da minha antiga vida, quando havia jantaradas com amigos, saídas a noite, dançar, divertir-me. Há muito que ñ me divirto.
    Este texto parece um bocado confuso, mas eu já nem sei ter uma conversa com alguém, acho que já nem sei falar, já que ñ falo mt, a não ser para o meu cão.
    Acredito tb que se eu ñ tivesse este amiguinho patudo já me teria ido embora ou então nem sei.

    Gostava que alguem me ajudasse.

    Muito obrigada, Marta

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: My self

    • 2011-11-18 20:41:4518 Novembro 2011
    • #43

    Boa noite!

    É importante podermos partilhar as nossas experiências, "ouvir-nos" uns aos outros, sentir que não estamos sozinhos, saber que existe alguém que sofre da mesma doença e que por isso pode nos compreender melhor...

    Há 8 anos foi-me diagnosticada uma depressão que se tornou crónica. Associada à depressão sofro de fobia social, ansiedade e tenho traços obsessivo-compulsivos. Sempre fui muito timida, pouco comunicativa, nunca gostei de mim, da imagem que vejo reflectida ao espelho... Hoje com 28 anos vivo fechada no meu mundo pautado pela tristeza, isolamento e solidão (não tenho amigos/as), tenho uma constante sonolência que me atormenta (passo a maior parte do tempo a dormir, enquanto dormo, não penso, não sinto), é um sobreviver sem sentido... A única coisa que tinha de bom era estudar muito e conseguir tirar boas notas, terminei o meu ensino secundário com uma média de 18 valores, consegui entrar na universidade na minha primeira opção, uma escolha errada, que terá contribuído para desplotar a depressão e afundar-me. Estava no 3º ano de universidade quando me foi diagnosticada a depressão, deixei de conseguir estudar, por outras palavras, perdi a única coisa que tinha de bom em mim. Tive que desistir do curso, no ano seguinte mudei para outro, mas os sintomas da doença continuavam muito fortes, não conseguia memorizar, estar concentrada, sentia-me muito lentificada,... pelo que tive que voltar a desistir. A minha ideia de ser uma fracassada reforçou-se.
    Passei por vários psiquiatras e até neurologistas que me receitaram uma série de medicamentos, mas sem resultados positivos. A maioria dos medicamentos causa efeitos secundários negativos, alguns dos quais persistem durante muito tempo e alguns são mesmo irreversíveis, o que por vezes nos faz questionar se devemos continuar a tomá-los para o resto da nossa vida... Actualmente, tomo: anafranil 75 mg (anti-depressivo), inderal 40 mg, lyrica 50 mg (reduz a ansiedade e ajuda-me a dormir durante a noite) e em sos diazepam 5mg.
    Também procurei vários psicólogos, no entanto nunca senti melhoras significativas. De momento, tenho uma psicóloga que parece que desistiu de mim, já me disse várias vezes que eu não mudo, pelo que não faz sentido continuar a ir às suas consultas. Só que eu não mudo, não é por não querer, mas sim por não ser capaz, por medos, por ideias que me bloqueiam... As minhas consultas são geralmente de mês a mês, penso que deveriam ser menos espaçadas, mas em contexto hospitalar não é possível.

    Já ouvi falar de grupos psico-terapêuticos, mas não existe nenhum no Centro Hospitalar a que pertenço. Alguém me sabe dar alguma referência de algum espaço em que existam este tipo de grupos na região de Almada ou Lisboa?

    Ainda não desisti de um dia voltar a estudar. O meu psiquiatra diz que não me aconselha a faze-lo, porque posso não conseguir e depois a frustração é maior. Ele também me questiona se realizar um curso superior não será para mim um objectivo irrealista, mas eu não consigo responder a esta questão com rigor. O meu grande sonho seria estudar Farmácia, tenho consciência que se trata de um curso exigente, tenho consciência das barreiras que se interpõem como: a minha capacidade de memorização e concentração se encontrarem diminuídas, tremer muito das mãos (o que dificultaria a realização das cadeiras laboratoriais), a sonolência ser uma constante, apresentar lentidão psico-motora, a dificuldade de interacção com as pessoas, a necessidade de rever (que me faz perder imenso tempo),...
    De facto, existe uma discrepância entre aquilo que sonho e as capacidades que possuo, existem as limitações impostas pela doença, existe o estigma da sociedade,... tratar-se-á mesmo de um objectivo irrealista?

    Gostava que me podessem dar a vossa opinião.

    O meu muito obrigado!

    Estas pessoas agradeceram ou concordaram com esta mensagem: depressivo456

    • 2011-11-18 20:57:1218 Novembro 2011
    • #44

    Será a própria depressão um vício?

  25. Ola sad

    to respondendo essa msg pq praticamente encontro na msma situação q vc.....Tenho 23 anos e hj me considero uma pessoa completamente triste...No ensino medio tinha excelentes notas, ateh msm no inicio da faculdade....depois aconteceu um penhasco na minha vida....tive vários problemas de estética, saúde e frustração com mulheres....o pior eh q no inicio eu tentei vira essa pagina, mas tudo deu errado....Na verdade a tristeza sempre me acompanhou mas n tinha tanto peso, eu tinha um pequeno grupo d amigos q escondia isso...mas ai eles começaram a subir na vida( tanto amorosa quanto social) e eu q era o unico q tinha problemas d esteticas n....toda festa era a msma coisa....todo mundo se dando bem e eu nem perto disso.....comecei a me sentir mal por causa disso e parei d sair com eles, pq sair estava me fazendo mais mal do q bem...comecei a ter sintomas de depressão, ateh q chego no cume e eu tive q parar com a faculdade, pq n tinha energia nenhuma....tentei fazer otra q inclusive era o curso do meu maior hobbie, mas eh como se eu n tivesse nem alegria pra fazer a coisa q mais gostava d fazer....to tendo uma dificuldade imensa em conversar, pq na maioria das vezes n tenho vontade nem disso, eh como se eu perdesse a alma sei la, ai com o tempo o povo naturalmente começou a se afastar....Se tem alguma coisa q pode me definir é q eu me sinto uma pessoa sem alma lotada d sonhos irrealizaveis pq n to conseguindo nem dar o primeiro passo....tenho q recuperar minha auto-estima mas como n tenho nem amigos pra sair....sinto como o poema "josé" d Carlos Drummond de Andrade "e agora jose?" quero fazer tudo mas n encontro caminhos para fazer

    • 2011-11-26 20:52:5026 Novembro 2011
    • #46

    Olá depressivo,

    fiquei sensibilizada com a tua mensagem, porque dado que tenho passado por experiências idênticas, consigo compreender aquilo que sentes. Gostava de partilhar contigo um poema de Sebastião da Gama, intitulado "O Sonho":

    "Pelo sonho é que vamos,
    comovidos e mudos.

    Chegamos? Não chegamos?
    Haja ou não haja frutos,
    pelo sonho é que vamos.

    Basta a fé no que temos.
    Basta a esperança naquilo
    que talvez não teremos.
    Basta que a alma demos,
    com a mesma alegria,
    ao que desconhecemos
    e ao que é do dia a dia.

    Chegamos? Não chegamos?
    - Partimos. Vamos. Somos."

    Não podemos desistir dos nossos sonhos, temos que lutar por eles, ter esperança que eles se podem tornar realidade.

    Durante estes anos com depressão, aprendi algumas coisas, entre as quais, que só nós nos podemos ajudar a nós próprios, podemos ter alguns amigos, mas se não nos sentirmos bem connosco próprios de nada vale os ter, porque vamos sempre recusar sair com eles e eles como tu referiste acabam por se afastar.

    Tens que dar um passo de cada vez, primeiro reflectir sobre as causas da tua depressão e depois das identificares, pouco a pouco, ir fazendo um esforço para implementar mudanças na tua vida, que tentem resolver ou pelo menos minimizar aquilo que te causa tristeza, baixa auto-estima,... Sei que para uma pessoa que sofre de depressão não é fácil, mas temos que fazer um esforço.

    Uma coisa que me tem dado força é acreditar em Deus e pensar que se Ele permitiu que esta doença viesse à minha vida, é porque existe um propósito. Repara num simples facto, se tu nunca tivesses sofrido de depressão, esta realidade da doença mental iria passar-te completamente ao lado e nunca irias compreender a dor que uma pessoa com depressão sente. Cabe a nós aprender com cada experiência, mesmo que ela seja muito dura e dela extrair elementos positivos. Nesta caminhada não estás sozinho, tens sempre Deus a teu lado. Os amigos podem abandonar-te, a família pode não compreender a dor que sentes e até dizer coisas que nos magoam como: "não passas de um preguiçoso, não estudas porque não queres, és um falhado...", mas Deus compreende-nos e se nós confiarmos Nele e seguir-mos a Sua vontade, Ele ajuda-nos. Em muitos momentos de maior tristeza e solidão, uma das coisas que me ajuda é ler a Bíblia, principalmente alguns Salmos, hás-de experimentar. Tu acreditas em Deus? A religião não é o mais importante, mas sim a nossa crença num Ser Superior a nós, que sabemos que consegue proteger-nos, ajudar-nos, restabelecer a nossa força,... É reconfortante reconhecermos que não estamos sós, quando tudo à nossa volta parece desmorenado e sem sentido.

    Tens o apoio de algum psiquiatra ou psicólogo? A meu ver, a medicação por si só não é suficiente, porque ela pode estimular o aumento de neurotransmissores, contudo existem causas sobre as quais ela não pode actuar, como: a vivência de uma experiência traumática durante a infância, o termos sido vítimas de bullyng, o estarmos inseridos num lar disfuncional (por exemplo, um dos pais ser alcóolico), termos pais superprotectores/rígidos, um desgosto amoroso,... A psicoterapia ajuda a pelo menos pensarmos sobre estas questões. O psiquiatra e o psicólogo podem ajudar um pouco, mas temos que ser nós a querer mudar, a alterar comportamentos,... Repara os profissionais de saúde podem aconselhar-nos a prática de um desporto (alguns estudos mostram que tem efeito positivo na depressão), mas temos que ser nós a decidir que desporto queremos e comprometermo-nos a pratica-lo. A nossa recuperação depende principalmente de nós, há coisas que ninguém pode fazer por nós. Nesta árdua caminhada, nunca te esqueças, que tens sempre contigo um amigo que podes não ver, mas acredita que Ele existe e tem todo o poder para te ajudar.

    Espero ter ajudado um pouco. Gostava que soubesses que deste lado tens alguém com quem podes contar. Muita força, acredita em ti, um passo de cada vez, nunca descurando o sonho que te pode fazer mover...

  26. Ola Sad,

    primeiramente queria agradecer a msg e o apoio q vc esta dando, isso tem muita importancia pra mim ....ja fui em 3 psicologos diferentes mas embora eles falassem coisas pra tentar te melhorar, escutar de alguem que vive o problema eh muito mais motivador. Gostei muito quando vc tocou no assunto do sonho, pq realmente eh isso q esta me motivando a viver hj, eh soh atraves do sonho q vc as vezes consegue tirar uma força sobrenatural pra fazer alguma coisa....confesso q antes da depressão, eu nunca pensava em Deus, porem hj eu realmente n consigo viver sem Ele, é Ele que me motiva a tentar correr atras dos sonhos q eu n consigo nem dar um passo, e da confiança d que eu ainda tenho um papel a desempenhar nesse mundo...mas msmo assim ta dificil, alem dos meus problemas eu vivo com meus pais e minha mae d tao frustrada comigo tb ta entrando em depressao, falo pq eu sei os sintomas. N sei, eh como se fosse um ciclo vicioso, surgi muito mais problemas q solução, as vezes eu penso se um dia eu vo poder ver pelo menos um d meus objetivos realizados....todas as minhas orações sao essas: d ter forças para correr atras d meus objetivos e nesse caminho não magoar ninguem....o que eu mais sinto falta eh d encontrar pessoas com depressão , pq eh só com essas q eu quero conversar, justamente pq igual vc falou são essas q realmente te entendem, resumindo eu sinto falta d um amigo/a mas d um amigo/a q viveu ou vive os meus problemas....sera q todos pensam assim? queria muito achar um grupo d apoio para depressivos mas pelo menos na minha cidade nunca ouvi falar.....
    muito obrigado pela msg pode parecer q foi pouco mas ajudou muito....

    • 2011-12-02 18:57:02 2 Dezembro 2011
    • #48

    Olá depressivo,

    não precisas agradecer, temos que ser uns para os outros. Quanto à tua pergunta, eu penso que a maioria das pessoas com depressão, sentem necessidade de um amigo/a que tenha experienciado ou experiencie problemas semelhantes aos seus, porque este o poderá compreender melhor.

    Eu também ando à procura de um grupo de apoio, na zona onde vivo não existe, possivelmente vou ter que recorrer a alguma clínica privada em Lisboa. Tu és de que cidade? Podes tentar perguntar aos psicólogos por onde passaste se te sabem dizer onde poderás encontrar esse tipo de grupo ou até mesmo alguma associação que apoie doentes com depressão.

    Se quiseres posso dar-te o meu e-mail para continuarmos a comunicar. Penso que é positivo trocarmos ideias, partilhar-mos os problemas que nos preocupam, partilhar-mos estratégias que nos ajudem na recuperação da nossa doença,...

    Muita força**

  27. ola sad,

    primeiramente obrigado pela resposta, tinha perguntado pq nunca consegui conversar com ninguem que tenha depressão além de vc. Entao moro em Udia - MG. O incrivel é que eu pesquisei de todas as formas possiveis algum grupo de apoio, inclusive com meus psicologos, e achei em todas as cidades menos na minha, é muita sorte. Eu tb acho muito positivo trocarmos ideias por email, ter alguem que vc tenha segurança pra partilhar seus problemas, ou melhor que entenda eles. Se quiser meu email pra gente conversar mais: talbuquerque87@gmail.com ...

    muita força nessa etapa dificil....

  28. Olá boa tarde! Tenho 27 anos e 3 filhos uma com 9,outro com 4 e outro com 1 ano.... Ultimamente não tem sido nada fácil estou desempregada pois se for trabalhar não ganho para as despesas de amas e de a.t.l e ainda tiro do ordenado do meu marido.... Pois nunca estive desempregada tanto tempo o que esta a levar me a loucura... Ha 3 meses para cá que me sinto com dores por todo o corpo principalmente cabeça e costas, irritabilidade, uma tristeza profunda.... Tenho 1,59m e so peso 43 kg sinto me envergonhada pois sinto me um esqueleto andante não consigo comer ando sempre super mal disposta!!!!! tem dias em que já não digo nada ao meu marido por vergonha de ele poder achar que sou uma velha de 99 anos com as dores todas.... Ja fujo dele pois eu já não gosto de mim e sinto que ele também esta a deixar de gostar.... Pois no fundo e mentira eu tenho um marido incansável espectacular..... So que se eu não me sinto bem não tenho coragem de estar ao lado de quem quer que for.... só me sinto bem longe de tudo e de todos e principalmente se eu estiver a dormir.... Tenho medo de ir ao medico e ele receitar comprimidos eu tenho 3 filhos e não posso tomar antidepressivos penso que isso possa afectar na educação e no acompanhamento aos meus filhos... Mas depois penso que eu estando assim também não e uma boa forma de estar ao pé dos meus filhos.... sinto me impotente... preciso de ajuda e não sei o que fazer....:not_even: